Τετάρτη, 21 Σεπτεμβρίου 2011

QUANDO OS PASTÉIS SÃO MONÁRQUICOS ANÁRQUICOS-VAMO-NOS ÓS MOUROS AFONSO NÓS TE DAMOS NOSTRADAMUS-COSA NOSTRA DÁ-MUS

NÓS PORTUGUESES SOMOS CORSÁRIOS

NINGUÉM NOS PEÇA O QUE NÃO TEMOS

OU EM VAGAS DE HONESTOS MÁRIOS

ATÉ EM RELES BATÉIS ROUBAMOS REMOS


EM NOSSOS OLHOS FRIOS E ASTUTOS

EM NOSSAS INÉRCIAS E INVEJAS VASTAS

SOMOS BRUTAIS MUITO MAIS QUE BRUTOS

E EM BOAS OBRAS SACAMOS SOMAS BASTAS


E SE BOAS E MÁS OBRAS NÃO SÃO CASTAS

E SE AS BOLSAS DE OURO ANDAM DE RASTOS

NÓS PORTUGUESES GRITAMOS -Ó TU QUE GASTAS

E NESSE GRITO AFLITO FICAMOS PUROS E CASTOS

NEFASTOS

JUROS

ENTERRAM

O SOL NASCENTE

NA IGREJA RUINAS

NO ALTAR CRAVOS

OS PADRES SOVINAS

QUE NOS FIZERAM ESCRAVOS

DESSAS LIBERTÁRIAS RUINAS

PROMOVEM AFAGOS

SÃO SACANAS SOVINAS

MAS NÃO SÃO GAGOS

MENINOS E MENINAS

DESTA GENTE QUE NOS MENTE

POENTE

NESTAS RIMAS

CRETINAS

DUM DEMENTE