Δευτέρα, 9 Ιουνίου 2014

PERGUNTEI : HA QUE COMER RESPONDEU-SE HA AZEVIAS ? E TEMI PORQUE NÃO SÃO... A NEGROS MUITO PROPICIAS .... COMTUDO DOZE COMI .. .E DANDO-NAS MUI BEM FRITAS.

  • Mais um, que qual verso culto 
    Dente de coelho tinha, 
    Animalejo tan rico, 
    Que tem em casa uma mina. 
    
    O grão Diogo Ferraz 
    A quem Castella inimiga 
    Mais que bravo no appellido 
    Viu-se costa na valentia. 
    
    Seis queijos para meus queixos 
    Me deu com grão fidalguia, 
    E foram para a memoria 
    Nao achaque, mas mesinha. 
    
    Os doces vos nao descrevo, 
    Pois bem vedes que convinha 
    Levar alforges de doce 
    Um ingenho da Bahia. 
    
    Só caminhei duas léguas, 
    E porque rifões desminta, 
    De vir mal acompanhado 
    O vir tan só me nao livra. 
    
    Na Boca de Sacavém 
    Encontrei linguas malditas. 
    Que mais que a Boca de larga. 
    Tinham elas de compridas. 
    
    Rico fora o meu barqueiro 
    Mais que Cresso, mais que Midas, 
    Se recolhera de juros 
    O que de juras dizia.
  • 
    
  • 
    
  • 
    
  • Tomei terra, achei pousada; 
    Chamei, respondeu Maria, 
    Poz-se a meza, e sobre a meza 
    Pao de segunda, e de prima. 
    
    Agora, Apouquinho, agora 
    Mandae, meu louro, que assista 
    A poeta comedor 
    Uma Musa comesinha. 
    
    Comi dous Sanctatoninhos 
    Com muyta fome excessiva, 
    E ser então papa Sanctos 
    Não foi certo hipocrisia. 
    
    Despachei o pao primeiro, 
    E o outro, que se seguia. 
    Não estava todo trigo, 
    Vendo fome tão canina. 
    
    Pedi mais peixe, mais peixe, 
    Poz rebondo a mocinha 
    Pescada partida em postas 
    E pela posta comida. 
    
    Cuidareis lendo meus versos, 
    Que jantei com alegria? 
    Ah, que levei muitos tragos 
    Por certas razões que tinha! 
    
    Acabo pois de jantar, 
    Nesta rima, e nesta rima 
    Basta dizer a Deus graças. 
    Sem que aos homens graças diga. 
    
    Cavalguei num macho negro, 
    Que já ser branco podia 
    Posto que está nos seus treze: 
    Bella idade para Nympha ! 
    
    Caminhei de esporas, e botas, 
    E sempre o moço dizia 
    Nas tabernas: Lança, lança, 
    Nas estradas: Pica, pica. 
    
    
     
    
    Também fui só n'esta tarde 
    Sem encontrar alma viva, 
    Marianno do deserto, 
    Nao Padre da Companhia. 
    
    
    
    Perguntei: Ha que comer? 
    Respondeu-se : Ha azevias: 
    E temi, porque nao são 
    A negros muito propicias. 
    
    Comtudo doze comi, 
    E dando-mas mui bem fritas, 
    Me admirei de vir tam quente 
    Peixe, que tam fresco vinha. 
    
    Eram valentes as doze 
    As doze mil maravilhas. 
    Mas eu as deixei tao fracas, 
    Que foram postas na espinha. 
    
    N'uma caixa de perada 
    Bem temperada e bem fma 
    Já tocava a recolher, 
    Porque marchar nao podia: 
    
    Quando vossas saudades, 
    E logo lagrimas minhas 
    Deixaram qual peixe n'agua 
    O peixe que em mim se via. 
    
    Da céa me levantei, 
    E porque o somno caía. 
    Presto caminhei da Cêa, 
    Com ser tam longe, a Caminha. 
    
    Fim da Jornada: Laus Deo, 
    E quem me não der um viva 
    Morra de morte macaca 
    Sem uma vela bugia. 
    
    Jeronymo Bahia. — A Phenix Renascida, Lisboa 1746 

  • .. 

Παρασκευή, 25 Απριλίου 2014

PORQUE É QUE A GAIVOTA É A AVE QUE ABRIL NOS DEU E PORQUE É QUE UM BICHO QUE COME PEIXE PODRE E PESCADORES AFOGADOS REPRESENTA A LIBERDADE? DIFERENÇAS ENTRE REVOLUÇÃO E GOLPE DE ESTADO - A REVOLUÇÃO RUSSA OU A FRANCESA OU A IRANIANA É FEITA PELO POVO QUE SE ARMA PARA A FAZER OU SEJA É UMA REVOLUÇÃO POUCO PROFISSIONAL JÁ O GOLPE DE ESTADO É FEITO PELO POVO ARREGIMENTADO É UMA REVOLUÇÃO A BEM DIZER FEITA POR QUEM PODE E NÃO POR QUEM QUER NÃO É UMA REVOLUÇÃO DE LOJISTAS DA CARBONÁRIA COMO O CINCO DE OUTUBRO É MAIS ASSIS QUE ASSAD UMA REVOLUÇÃO DE GALAMBUZINOS E NÃO UMA REVOLUÇÃO À UCRANIANA A BEM DIZER O 25 DE ABRIL FOI UMA REVOLUÇÃO À LA CRIMEIA...O PAÍS MAIS POBRE E DESIGUAL ERA O NOSSO HOJE 40 ANOS DEPOIS PASSÁMOS À FRENTE DA ALBÂNIA E DA COREIA DO NORTE E ATÉ DESSE MODELO DE PROGRESSO QUE ERA A ROMÉNIA

E A ROMÉNIA COM PETRÓLEO E TUDO 40 ANOS DEPOIS DE 74

CONSEGUE SER MAIS MISERÁVEL DO QUE NÓS

LOGO O 25 DE ABRIL TER-NOS POSTO À FRENTE

DO GRANDE PLANEADOR CEAUSESCU É UM MILAGRE DE FÁTIMA

A REVOLUÇÃO DO 25 DE ABRIL É O QUARTO SEGREDO DA COVA DA IRIA

DE RESTO A GRANDE FALHA DO 25 DE ABRIL

FOI NÃO SE TER NACIONALIZADO O SANTUÁRIO DE FÁTIMA

SE O TIVESSEM FEITO E INCORPORADO NAS EMPRESAS PÚBLICAS

HOJE NÃO PRECISÁVAMOS DE TER METIDO 33 MIL MILHÕES DE DÍVIDA NAS GAJAS

FÁTIMA PAGAVA TUDO E NEM EM 2222 ESTARÍAMOS FALIDOS

E MELHOR DO QUE ISSO

EM VEZ DA ALEMANHA NOS METER FORA DO EURO

SERÍAMOS NÓS A METER O RESTO DA EUROPA FORA DO EURO

FÁTIMA A PRIMEIRA-MINISTRA JÁ

Σάββατο, 29 Μαρτίου 2014

A FAUNA DO NACIONAL- PORREIRISMO DIVIDE-SE OU EST DIVISA IN PARTE TRES: LAGARTAS QUASE ACÉFALAS CUJA RELIGIÃO É A FOME - VEGETAIS VÁRIOS QUE SERVEM DE ALIMENTO ÀS VÁRIAS ESPÉCIES DE LAGARTAS E OBVIAMENTE ADMITO-O BORBOLETAS POLÍTICO-ECONÓMICAS E TRAÇAS DO MESMO JAEZ QUE ASPIRAM AO PHODER POR QUALQUER MEIO E O PAPEL DOS VEGETAIS NISTO? PAPEL VEGETAL CLARO ESTÁ É O FADO É FODIDO


e à lagarta em dissoloução chama-se?
Pupa no teu caso chama-se Puta politicanus

que é o teu nome e o teu credo



Rogoff e Roscoff economic wise guys Guys not Opus gay's ok.
Gamba que defende a reestruturação da dívida, cria incertezas no médio prazo, nomeadamente em pessoal que se descarta das acções portuguesas antes do fim de 2013, com perdas consideráveis, algumas centenas de milhares de cogumelos, ou de garrafas de azeite, antevendo as prováveis consequências da luta de poder económica e política 2014-2015 e ao provável se não certo, desmoronamento da bolha accionista neste biénio que se segue, logo embora o indivíduo em causa seja um engenheiro económico ao estilo socratista e pessoal nos Institutos económicos do risco ao meio sem conhecimento da matéria assaz peculiar e dividida em tendências que alegadamente ensinam, A evolução do pensamento económico é um fenómeno individual, veja-se que Carlos Pinto de Sá ou o anterior Capo da Nomenklatura do PCP não terem assinado ou não haver indicações para o fazerem, indica que a Economia é uma religião de evolução muito rápida não existindo alegadas contradições de um ou de todos os seus subscritores; para o caso, tanto faz o nome do e coño mista em rápida mutação (geralmente letal ) ou peor do que isso em metamorfose político-económica e logo tal como a borboleta que nasce da dissolução da lagarta em dicos imaginais vários (vide discos imaginais na wiki ou noutra merda qualquer) Imaginal discs or imaginal political or economic cells it's the same....resumindo a religião reprodutiva da borboleta nada tem a ver com a religião feita fome da lagarta pelas vegetalidades semi-vivas que consome, pois não são o mesmo indivíduo.
Na política ou na economia ou na política económica que é mais abrangente a lagarta político-económica dissolve-se e os seus discos imaginais, produzem uma borboleta político-económica que só aspira ao phoder, logo o cérebro da lagarta dissolvida nada tem a ver com o novo cérebro nascido do caos celular da esfomeada lagarta que comia para um dia escapar à triste sorte que a prendia ao consumismo quase acéfalo em que sobrevivia.
Logo é bem provável que a borboleta desconheça as ideias da lagarta ou as tenha reconstruido.

Logo a borboleta entende que quem defendeu o investimento público é a Lagarta pretérita que nada tem a ver com ela, ela própria e quem criticou o estudo dos economistas Reinhart e Rogoff sobre o impacto da dívida no crescimento venha agora dizer que a dívida se tornou insustentável e, portanto, precisa de ser reestruturada ou mesmo porque não anulada e adoptado o novo bolívar como Juno moneta nacional, para atrair o favor dos deuses económicos.

Para que não restem dúvidas, a borboleta reafirma todas as posições:
o investimento público era e é absolutamente imprescindível para o desenvolvimento económico e social do país; o estudo de Reinhart e Rogoff não faz sentido; e a dívida tem de ser reestruturada porque, no contexto actual, os seus encargos impedem o crescimento. Contradição? Jamé ,,,,Só mesmo na (baralhada) cabeça de lagarta em metamorfose

Reinhart e Rogoff publicaram um estudo que correlacionava o rácio da dívida pública em percentagem do PIB e o crescimento económico e concluíam que, a partir dos 90%, a dívida limita o potencial de crescimento.....o que é absolutamente falso pois o Japão e os US of A e a Grécia serão os novos tigres asmáticos do século XXI, pode é demorar uns tempos.

Κυριακή, 9 Φεβρουαρίου 2014

O EMPREGADO DO COMMERCIO NÃO SABE LER? E FOI PARA APRENDIZ SEM SALÁRIO AOS DEZ ANNOS? PACIÊNCIA TIVESSE ESTUDADO E FOSSE BACHAREL COMO EU DIZ OLIVEIRA PIRES EM 1869.....DE FACTO A MISÉRIA ARGUMENTATIVA É HISTORICAMENTE UM FACTO CONSUMADO POR MUITOS CON'S

Direitos dos funccionarios



Algumas classes, que não desejo designar, criaram uma

jurispriidencin sua com relação aos funccionarios publicos.

JA não ha direitos adquiridos.
 
A lei deixou de ser a garantia
do cidadão. O estado esth no seu dircito de violar os

contractos. Optimos e asizados ,jurisconsultos se apuravam

entre estes pensadores ! !



Ponhamos aqui o argumento, magno com que se pretendo

justificar aquelles principios. E o seguinte :

O empregado do commercio em não sendo necessario



despede-se; quando não póde trabalhar, porque lhe chegaram

os achaquces da velhice, deixa de vencer.
 
Conseguintemente

quando o serviço publico prescinde de muitos braços,

e o thesouro se acha em tristes circumstancias, corta-se

o gordio das difficuldades financeiras despedindo oe empregados



que sobejarem, e acabando immediatamente com

as aposentações e reformas.

Avaliemos que paridade de circumstancias poderá haver

entre o empregado do estado e o empregado do commercio.

O caixeiro quando entra ao serviço do patrão sabe já

com que condições o faz. Não tem direito a pedir eetabilidade



vitalicia, nem aposentação na velhice, porque taes vantagens

se não estabeleceram no ajuste.
Póde comtudo exigir

maior ordenado em compensação da falta d'essas regalias....pois o patrão é certamente rico ou se tiver uma padaria paga-lhe em pão...

Em todo o caso o contracto é acceite de parte a parte



n'essas condiqões.

Dá-se caso identico com o empregado publico.

Foi chamado ao exercicio do seu logar mediante um ordenado

fixado por lei, e umas certas garantias de accesso,

de conservação e de reforma, egualmente estabelecidas por

disposições legislativas

e


para isso se lhe pediram estudos
 
superiores

o empregado do commercio não sabe ler?

pois soubesse